medite_5

Segundo o dicionário, meditar é pensar com atenção, é ponderar, é considerar cuidadosamente; experimento é submeter a experiência, é por à prova, é ensaiar, verificar pelo uso e é por em prática; e exercício é uma atividade e é praticar.

Esses três termos usaremos com frequência hoje.

Você não precisa de requisitos especiais ou mirabolantes, não precisa ser extremamente religioso, nem extremamente iluminado, basta ser normal.

Quando em meditação, você vai “ver” as imagens através da sua tela mental. A tela mental você vai perceber na testa, logo e acima das sobrancelhas, seguindo a raiz do nariz.

É nesse local, que a sua imaginação vai se desenrolar como se fosse um filme.

A prática leva a perfeição, lembra?

O termo “tela mental” é mais científico; você vai encontrar outros nomes, a maioria místicos, que significam a mesma coisa, como: terceiro olho, olho interior, olho da mente, só para citar alguns.

Aproveitando o que você já leu neste Blog, na categoria “Medite brincando. É sério!”, vamos a partir daí, dar algumas dicas.

Condense as frases, deixe-as curtas, é mais fácil de lembrar.

Indique para a sua mente as frases principais, de maior impacto e que, principalmente, sejam o ponto culminante que vão te levar a realização pretendida, isto é, ao objetivo de você estar fazendo o exercício.

Vamos considerar que tudo é importante, porém, há passos essenciais, os quais não pode deixá-los de fora, ou não atingirá o objetivo.

Não se preocupe se esquecer alguma parte, não tem problema, você sabe, a INTENÇÃO, é o mais importante de tudo.

Primeiro, uma forma de meditar é você próprio(a) conduzir o experimento a partir de um  texto já escolhido anteriormente. Por exemplo: Pirâmide de energia.

A sugestão dos passos iniciais, servirá para todos os exercícios ou experimentos, ou seja:

. Esteja em um lugar confortável.

. Pouca luz ou penumbra, se desejar.

. Certifique-se de não ser interrompido(a).

. Música suave, relaxante, em volume baixo.

. Acomode-se em uma poltrona, ou outro móvel que prefira.

Leia o texto e imagine-se fazendo o que ele descreve, só depois é que você estará pronto(a) para iniciar.

Agora sim, por favor, feche os olhos e vá repassando na sua mente cada um dos passos do exercício.

Quando terminar, abra os olhos.

Segunda forma de meditar é outra pessoa conduzindo o experimento. Por exemplo: eu dizendo o que você deve fazer, passo a passo, e você só vai executando mentalmente, em pensamento.

Essa forma é super confortável e requer pouco esforço.

Terceira possibilidade, um pouco trabalhosa no preparo dela, mas confortável quando for executar, é você mesmo(a) conduzir o experimento, só que agora pré-gravado.

Você pode utilizar qualquer aparelho de gravação: fita, CD, telefone, outros.

Quando for gravar, comece com uma música relaxante, pelo tempo de mais ou menos três a cinco minutos, daí leia o texto.

Pronto, está gravado.

Ao efetivamente fazer o exercício, siga os passos iniciais descritos na primeira forma de meditar, depois solte a gravação, feche os olhos, com o pensamento e imaginação deixe-se levar, deliciosamente.

Ao terminar, abra os olhos.

Quarta

Sente-se confortavelmente e não faça nada. É isso mesmo. Nada! Não focalize o pensamento em lugar algum ou em coisa alguma. Apenas permita-se ficar ali. Observe-se a si mesmo(a).

Por incrível que pareça, no início pode ser bem difícil.

Comece utilizando uns cinco minutos, cada vez.

É a ação na não-ação budista, aonde não há apego a um objetivo, para enfim alcançá-lo.

Quinta

Um dos melhores exercícios é ficar sentado(a) no escuro olhando para uma vela acesa, durante mais ou menos um minuto.

Depois, feche os olhos e a imagem da vela vai estar na sua mente.

Concentre-se nesta imagem; retenha; não deixe sumir.

É super relaxante.

Chega-se muito perto do que deva ser a meditação.

Lembre que sempre poderá repetir, quando precisar ou desejar.

Estas formas são muito práticas, parece brincadeirinha, mas é sério.

Há muitas e muitas formas de meditação, todas são magníficas, utilize-as também.

Experimente!

Você vai se surpreender com as infinitas possibilidades que o Cósmico (1) oferece.

Pode acontecer do experimento transcorrer diferente do programado, pode até nem ser parecido com a idéia inicial, sem problema, a originalidade da experiência que você pode ter e a gratificação que vai sentir, sem sombra de dúvida, é insuperável.

Tenho certeza, que se assim for, é porque naquele momento é como deveria ser.

Enfim, o que sabemos nós?

É melhor, deixar fluir e confiar.

Confie!

(1) Cósmico
      Na terminologia Rosacruz, refere-se a Inteligência Divina, Infinita, do Ser Supremo, que tudo permeia.

 

por Dalva Helvig Nikolak